O que o COVID-19 significa para startups de comércio eletrônico

covid-19
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Sumário

Muitas pequenas empresas foram afetadas pela pandemia COVID-19 e sua disseminação global. Eu queria dar um relato em primeira mão de como essa situação tem impactado pessoalmente minha empresa e aqueles com quem trabalho, além de oferecer alguma perspectiva para ajudar as empresas a avançar.

Sou o fundador da GSP Sites, uma agência de web design que ajuda as empresas de comércio eletrônico a construir suas marcas e gerar receita através de canais online.

A escrita estava na parede…

A Itália está sob bloqueio total há semanas, nossa fábrica fechou e os Estados Unidos estão acumulando casos a uma taxa alarmante. Já vi negócios com quem trabalho terem que repensar toda a sua operação, enquanto empresas que dentem a ficar enraizadas em seus antigos métodos de vendas estarem a um passo de demissão em massa e quem sabe da falência.

Os sentimentos dos consumidores mudaram drasticamente. Clientes de artigos de luxo cortaram orçamentos criativos. As demissões começaram. Muitas pessoas me perguntaram o quão ruim isso vai ficar. Há algumas coisas que devemos lembrar de seguir em frente.

Produtos agradáveis devem se adaptar para sobreviver

Em crises econômicas, a demanda dos consumidores por produtos “agradáveis de se ter” diminui à medida que os compradores se concentram em suas necessidades mais básicas. Saúde, bem-estar e segurança — produtos que se encaixam nas partes mais baixas da Hierarquia de Necessidades de Maslow — tornam-se a prioridade máxima.

Para startups apoiadas por risco e bootstrapped, seja antes do lançamento ou em seus estágios iniciais, a situação do coronavirus pode exigir uma mudança de estratégia. Strands Hair Care, uma marca de shampoo e condicionador personalizado direto ao consumidor apoiada por dados, é um exemplo de uma startup que está se adaptando às mudanças nas preferências dos consumidores.

Eric Delapenha, fundador e CEO da empresa, explicou-me durante um telefonema recente que ele tem sido muito cauteloso com a situação do coronavírus: “A maneira como posicionamos Strands será primordial se formos adiante com isso. Se fecharmos tudo agora, seria uma farsa.”

A crise os levou a destacar aspectos específicos da marca que são relevantes para as novas normas de consumo, e eles começaram a testar anúncios que focam mais no consumidor e na necessidade de autocuidado a partir do conforto de sua casa.

“Nossos clientes ainda querem olhar e se sentir bem”, diz Delapenha. “Nossas mensagens não mudaram muito; estamos apenas destacando diferentes necessidades. Estamos nos concentrando em como fazer isso agora.”

Cadeias de suprimentos no exterior estão destinadas a interrupções

A Organização Mundial da Saúde confirmou casos de COVID-19 em quase todos os países. Se você importa produtos de áreas particularmente atingidas, espere atrasos ou alterações de cronograma associadas à produção ou envio à medida que a situação evolui, se este ainda não tiver sido o caso.

Algumas fábricas tentarão ficar abertas. Apesar da paralisação de produtos não essenciais ao país, muitas empresas (assim como a nossa) consegue trabalhar em regime de home office, conseguindo seguir suas operações.

Fábricas que insistem em permanecer abertas ainda terão problemas. As instalações que insistem em receber pedidos podem não ser capazes de cumpri-los e, em vez disso, podem estar contando com fluxo de caixa imediato para segurá-los.

Uma fábrica não pode continuar em produção se praticamente todos os seus fornecedores de matéria-prima estiverem fechados. Atrasos são inevitáveis, e como uma pequena empresa, é importante prever essas questões e tomar uma decisão informada.

Infelizmente, as empresas menores certamente serão colocadas atrás de grandes corporações para o cumprimento de pedidos quando a produção aumentar novamente.

Em tempos como estes, a diversificação de produção tem vantagens distintas. Para aqueles que ainda não se diversificaram, será importante se preparar para quando as coisas voltarem ao normal.

Crie novas oportunidades em mercados selecionados e diversifique a produção

O COVID-19 resultou em uma aquisição acelerada de clientes, pois as condições de mercado favorecem determinadas marcas. Por exemplo, houve um aumento significativo nas vendas de cannabis, já que a Califórnia rotulou as empresas de cannabis como “negócios essenciais” para seus benefícios à saúde. Neste caso, a auto-quarentena faz com que os clientes fiquem presos em casa para experimentar novos produtos, especialmente aqueles com atributos positivos da mente e do corpo.

Michael Kamins, sócio da OpenNest e fundador da Humakina, expressou-me como mesmo um impacto positivo no mercado requer uma maior sensação de preparação para marcas de pré-lançamento: “Estamos adaptando nossa estratégia de lançamento para um mundo COVID. Não houve nenhum assalto em nossa cadeia de suprimentos até agora, e nos sentimos muito afortunados por isso. Mas entendemos que os desenvolvimentos em rápida evolução podem causar impactos negativos nas cadeias de suprimentos a qualquer momento. Estamos monitorando continuamente a situação, avaliando os impactos e preparando ações para responder.”

Uma cadeia de suprimentos bastante diversificada também ajudou Humakina. Quando fornecedores críticos na China fecharam, as operações com sede nos EUA continuaram. A comunicação aberta com vários fornecedores estatais os ajuda a se preparar para desligamentos adicionais, uma prática que outras empresas devem emular saindo dessa crise.

Uma boa alternativa para empresas que estão fechadas ao público é a entrada no mundo digital, aonde você conseguirá impactar uma grande quantidade de pessoas mesmo de portas fechadas.

Se você vende produtos uma loja virtual é uma ótima alternativa para continuar vendendo suas mercadorias, ou até mesmo o uso de marketplaces, como o B2W, Via Varejo, Amazon entre outros.

Agora se você é prestador de serviços a criação de um site profissional é uma ótima opção para continuar prospectando clientes.

Agora é a hora de seguir em frente com confiança

As coisas acabarão voltando ao normal à medida que as taxas de infecção diminuem, os mercados se recuperam e as pessoas voltam ao trabalho. No entanto, o momento desta recuperação ainda não está claro e pode não ocorrer por vários meses. Nesse ínterim, as marcas que não se encaixam nessas necessidades imediatas discutidas acima podem precisar alterar a forma como comunicam propostas de valor para seus clientes e procurar oportunidades para capitalizar a mudança das preferências dos consumidores.

Há muita incerteza agora para as pequenas empresas, mas com isso, há uma tremenda oportunidade. Assim quando você tiver atravessado essa crise estará muito mais forte para os novos desafios que virão e estará muito mais fortalecido nesse novo canal de atendimento.

O que você achou, concorda com o que eu disse? Deixe seu comentário.

Compartilhe esse post com seus amigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deixe um Comentário